Meu Deus tem piedade de mim que sou pecador!

Na liturgia deste domingo dois temas perpassam as leituras da liturgia da palavra: a oração e a justificação do pecador.  Continuando o tema da oração que nos foi proposto no domingo passado, o Evangelho nos apresenta agora uma parábola que é a sequência imediata daquela que ouvimos (da viúva insistente e do juiz iníquo). Mas esta de hoje vai endereçada diretamente a uma classe de pessoas: os autossuficientes.  Temos duas personagens que nos ajudaram a entender melhor as palavras da comunidade lucana: o Fariseu e o publicano. O publicano desta parábola é, porém, uma pessoa consciente de seu mau comportamento, por isso não se julga melhor que ninguém, reconhece a sua fraqueza.  O fariseu representa o autossuficiente, aquele que se acha justificado pelas obras que realiza e pensa ser melhor que os outros em função disso.

Esta parábola do fariseu e do publicano, a última das parábolas próprias de Lucas, também proporciona um foco interessante para a celebração deste domingo, dia Mundial das Missões. Somos motivados também a propagarmos e assumirmos com fé o nosso compromisso de seguimento a Jesus Cristo. Portanto, como discípulos missionários somos chamados a cultivar uma mística orante para testemunhar e anunciar o evangelho em nosso meio.

Neste dia dedicado as Missões, todos somos convidados a “sair” como discípulos missionários, e por os talentos, a criatividade, a sabedoria e experiência de cada um de nós para levar a mensagem da ternura e da compaixão de Deus a todas as famílias.

Fr. Rogério Lopes, OFM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *