Frei Massimo Fusarelli à Assembleia da UFME: Caminhando como buscadores do Espírito

Reunidos desde o último dia 27 de Fevereiro em Medjugorje, Bósnia e Herzegovina, os frades que compõe a União dos Frades Menores da Europa, refletem "O futuro da UFME: onde começamos, onde chegamos e o que queremos ser."

Notícias

01.03.2023 20:23:49 | 3 minutos de leitura

Frei Massimo Fusarelli à Assembleia da UFME: Caminhando como buscadores do Espírito

        Na segunda-feira, 27 de fevereiro, foi iniciada em Medjugorje, Bósnia e Herzegovina, a XV Assembleia Geral da UFME (União dos Frades Menores da Europa), com o tema "O futuro da UFME: onde começamos, onde chegamos e o que queremos ser", que até 3 de março contará com a participação de cerca de 40 Ministros Provinciais e Custódios do continente. O Ministro Geral, Frei Massimo Fusarelli, e seu Definitório também participam.

        A UFME (União dos Frades Menores da Europa) inclui várias Conferências do continente europeu: a Conferência de Ministros Provinciais da Itália e da Albânia (COMPI), a Conferência das Províncias de Espanha e Portugal (CONFRES), a Conferência Franciscana Transalpina (COTAF), a Conferência Eslava do Norte (SLAN) e a Conferência Eslava do Sul (SLAS).

        A programação do segundo dia de Assembleia contou com uma mensagem a União, do Ministro Geral, que foi acompanhada também por Dom Francisco Assis Chullikatt, Núncio Apostólico na Bósnia e Herzegovina, de Dom Aldo Cavalli, Visitante Apostólico de Medjugorje, de Dom Peter Palić, Bispo de Mostar.
        Dom Cavalli quis enfatizar a graça do lugar mariano onde se realiza a Assembleia: "Este é um lugar de graça e fé; [...] a Virgem Maria "encontrou graça com Deus", e assim Francisco de Assis, pela graça, foi escolhido pelo Senhor. Com a sua resposta livre e criativa, ele proclamou o Evangelho aos homens do seu tempo. Do mesmo modo, pela graça, recebemos a vocação e a missão de anunciar o Evangelho às pessoas que vivem no mundo de hoje"

        O Frei Massimo Fusarelli quis recordar como, no último mês, teve a oportunidade de se encontrar pessoalmente com as fraternidades da América do Sul e agora da Europa: "No mês passado, em São Paulo do Brasil, todos os provinciais da América Latina se reuniram; agora vivemos esta Assembleia Europeia: em pouco tempo, quase metade dos ministros e custódias de toda a Ordem reuniram-se em diferentes partes do mundo. Para nós, do Definitório Geral, é uma ocasião preciosa para ver e encontrar a Ordem não só nos muitos documentos que chegam à Cúria Geral, mas através dos rostos dos irmãos, e aprender mais sobre as muitas situações diferentes que a nossa fraternidade internacional está a viver. Ele acrescentou: "Aqui estamos em um lugar na fronteira entre diferentes culturas, experiências históricas e mundos; Quando nos reunimos, somos obrigados a atravessar fronteiras e ter um fôlego maior".

        A partir de uma leitura da realidade europeia hoje, o Ministro Geral falou três pontos que podem iluminar a missão no continente. O primeiro a era dos que procuram o Espírito, o convite a dar voz a nova visão integral franciscana da pessoa e do mundo e modulando-o em contacto com os novos desenvolvimentos que emergem. 

        Sobre o primeiro ponto, o frade propôs aos irmãos que em meio a um processo de secularização, com diversidades culturais, a partir da presença dinâmica do Ressuscitado em um discernimento permanente "ser contemporâneos dos tempos em que a Europa está vivendo, recomeçando com paciência e confiança do centro carismático da nossa opção evangélica, como irmãos e irmãs de todos os que estão a caminho, abertos ao irmãos de todos no caminho, abertos a caminhos partilhados, e menores, prontos a procurar com os outros como o Espírito acompanha como o Espírito acompanha o que se move em profundidade nas passagens frequentemente contraditórias deste tempo." E frisou "Se não nos reformarmos de dentro do nosso vocação estaremos andando como cegos, quer optemos por construir pontes ou por nos opormos ao tempo presente."

        A partir do segundo ponto que reflete sobre o humanismo franciscano, Frei Massimo afirmou acreditar que é possível redescobrir e até propor a este tempo a visão franciscana da pessoa como um indivíduo relacional que é fermento numa realidade dramática da história e da cultura do continente europeu e para isso  é preciso um impulso na ação e no pensamento que animará a vida dos frades e a sua proposta de evangelização. "Não o podemos fazer sozinhos. Precisamos de estar abertos a outros a ouvir e a trabalhar em conjunto para esta visão integral." lembrou o frade. 

        A última reflexão, com a apresentação das crises vividas na Europa, o Ministro lembrou que "A realidade das Conferências Europeias aqui representadas não pode deixar de se basear em a convicção de que só podemos ter um futuro neste continente se aprendermos a caminhar juntos" e pediu ainda que "Agarrando-nos às velhas fronteiras, devemos encontrar juntos uma nova geografia da nossa presença e missão neste continente, para assegurar uma rede de presenças ágeis, significativo no seu enfoque nas prioridades do carisma, e missionário no seu viver e testemunhar." Frei Massimo ao apresentar o mundo em constantes mudanças, lembrou dos jovens que já vivem e aqueles que virão e e encontrarão centenas de desafios e sobre aqueles que desejam abraçar o carisma franciscano, recordou aos frades que "Com eles e para eles, devemos pensar num nova forma de viver hoje a vida franciscana."

Fonte: www. radio-medjugorje.com | Comunicação Províncial
Imagem: Foto di Mateo Ivanković, Information Center Mir Medjugorje
Mais em Notícias
 

Copyright © Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil.
Direitos reservados, acesse a política de privacidade.

X FECHAR
Cadastre-se para
conhecer o
nosso carisma